11/12/14

O Mesmo Mar

O Mesmo MarO Mesmo Mar by Amos Oz
My rating: 4 of 5 stars

Um romance que é um imenso poema de vozes que se entrelaçam, de vidas arrebatadas por outras vidas e pela morte, de recordações, de procura e de encontro… e de perda.
Amos Oz edifica “O Mesmo Mar” a partir de fragmentos de alma, de cintilações mudas, de ausências presentes, de epopeias interiores e o resultado é um fresco de vidas em busca de um sentido. Navegando o mesmo mar.

“Como uma corça ansiando pelas águas vivas, assim a minha alma.
E dois ciprestes movem-se de cá para lá em silenciosa devoção.
Como as águas cobrem o mar, as águas impetuosas passaram por cima:
Passaram-se foram-se, e já não são. Volta ao teu repouso alma minha.
Onde está o teu repouso?
Responde, alma minha: para onde voltarás,
Por que ansiarás, como uma corça? A cafeteira está a assobiar.
É tempo de um café. E se a luz que há em ti
Escurecer, que profunda será a escuridão. Está uma mosca
Presa entre o estore e a rede. A casa está vazia. Um tapete.
Um gato enroscado. Quando virei, quando surgirei? A luz é escuridão.
À beira da água estava uma corça e foi-se.”



View all my reviews